Outubro/2012: BOLETIM MENSAL do blog da Frente Nacional Contra a Privatização da Saúde

19/11/2012

****

———————————————————————————————————

****
Boletim Mensal do blog da
Frente Nacional contra a Privatização da Saúde
 ***
<<<Outubro de 2012>>>

****
Apresentando o Fórum em Defesa do SUS de Campina Grande/PB
http://www.contraprivatizacao.com.br/2012/10/apresentando-o-forum-em-defesa-do-sus.html

Faleceu ontem o grandioso Eric Hobsbawm
http://www.contraprivatizacao.com.br/2012/10/faleceu-ontem-o-grandioso-eric-hobsbawm.html

Movimento contra a Ebserh ganha as ruas em 03 de Outubro de 2012, quarta-feira
http://www.contraprivatizacao.com.br/2012/10/movimento-contra-ebserh-ganha-as-ruas.html

Conheça e participe do I Seminário Estadual da Campanha Nacional pela Regularização do Território das Comunidades Tradicionais Pesqueiras – Rio de Janeiro
http://www.contraprivatizacao.com.br/2012/10/conheca-e-participe-do-i-seminario.html

Justiça de São Paulo anula contratos do Estado na saúde
http://www.contraprivatizacao.com.br/2012/10/justica-de-sao-paulo-anula-contratos-do.html

Veja como foi: em Maceió/AL teve atividades do “Dia Nacional de Luta contra a Privatização dos Hospitais Universitários” – 03/10/2012
http://www.contraprivatizacao.com.br/2012/10/veja-como-foi-em-maceioal-teve.html

Veja como foi: em Aracaju/SE teve atividades do “Dia Nacional de Luta contra a Privatização dos Hospitais Universitários” – 03/10/2012
http://www.contraprivatizacao.com.br/2012/10/veja-como-foi-em-aracajuse-teve.html

Veja como foi: em Niteroi/RJ teve atividades do “Dia Nacional de Luta contra a Privatização dos Hospitais Universitários” – 03/10/2012
http://www.contraprivatizacao.com.br/2012/10/veja-como-foi-em-niteroirj-teve.html

Professor do ensino fundamental no País é um dos mais mal pagos do mundo
http://www.contraprivatizacao.com.br/2012/10/professor-do-ensino-fundamental-no-pais.html

Veja como foi: em Recife/PE teve atividades do “Dia Nacional de Luta contra a Privatização dos Hospitais Universitários” – 03/10/2012
http://www.contraprivatizacao.com.br/2012/10/veja-como-foi-em-recifepe-teve.html

Veja como foi: em Juiz de Fora/MG teve atividades do “Dia Nacional de Luta contra a Privatização dos Hospitais Universitários” – 03/10/2012
http://www.contraprivatizacao.com.br/2012/10/veja-como-foi-em-juiz-de-foramg-teve.html

“Porque somos contra a EBSERH “: carta aos conselheiros universitários da UFBA
http://www.contraprivatizacao.com.br/2012/10/porque-somos-contra-ebserh-carta-aos.html

Assine o abaixo-assinado contrário ao exame de ordem do Conselho Regional de Medicina de São Paulo – CREMESP
http://www.contraprivatizacao.com.br/2012/10/assine-o-abaixo-assinado-contrario-ao.html

Veja como foi: em Rio de Janeiro/RJ teve atividades do “Dia Nacional de Luta contra a Privatização dos Hospitais Universitários” – 03/10/2012
http://www.contraprivatizacao.com.br/2012/10/veja-como-foi-em-rio-de-janeirorj-teve.html

Fórum Popular de Saúde de Campinas manifesta seu apoio ao boicote ao exame do CREMESP
http://www.contraprivatizacao.com.br/2012/10/mocao-de-apoio-do-forum-popular-de.html

Ouça a música “Ó EBSERH! Vê se Larga do meu Pé” e assista o vídeo!
http://www.contraprivatizacao.com.br/2012/10/ouca-musica-o-ebserh-ve-se-larga-do-meu.html

13 de Outubro – Dia dos Fisioterapeutas e Terapeutas Ocupacionais
http://www.contraprivatizacao.com.br/2012/10/13-de-outubro-dia-dos-fisioterapeutas-e.html

Recomendação e Resolução contra a EBSERH foram aprovadas no Conselho Nacional de Saúde – CNS
http://www.contraprivatizacao.com.br/2012/10/recomendacao-e-resolucao-contra-ebserh.html

Docentes participam do Dia Nacional de Luta contra a Privatização dos HU
http://www.contraprivatizacao.com.br/2012/10/docentes-participam-do-dia-nacional-de.html

Manifesto em Defesa do SUS – Ipatinga/MG
http://www.contraprivatizacao.com.br/2012/10/manifesto-em-defesa-do-sus-ipatingamg.html

Os novos reféns
http://www.contraprivatizacao.com.br/2012/10/os-novos-refens.html

Vitória no Conselho Municipal de Saúde de Belo Horizonte
http://www.contraprivatizacao.com.br/2012/10/vitoria-no-conselho-municipal-de-saude.html

Senado do Uruguai aprova lei que descriminaliza o aborto
http://www.contraprivatizacao.com.br/2012/10/senado-do-uruguai-aprova-lei-que.html

Brasileiro gasta mais com plano de saúde do que poder público
http://www.contraprivatizacao.com.br/2012/10/brasileiro-gasta-mais-com-plano-de.html

Aprovada na UFBA a adesão a EBSERH
http://www.contraprivatizacao.com.br/2012/10/aprovada-na-ufba-adesao-ebserh.html

Pesquisa avalia exposição humana a contaminantes químicos
http://www.contraprivatizacao.com.br/2012/10/pesquisa-avalia-exposicao-humana.html

Saúde para no dia 24 e servidores entregam assinaturas contra OSs
http://www.contraprivatizacao.com.br/2012/10/saude-para-no-dia-24-e-servidores.html

Especialistas divergem sobre eficácia do Programa Farmácia Popular
http://www.contraprivatizacao.com.br/2012/10/especialistas-divergem-sobre-eficacia.html

Líderes indígenas alertam para dificuldade de acesso a serviços de saúde
http://www.contraprivatizacao.com.br/2012/10/lideres-indigenas-alertam-para.html

CFP conquista importante vitória na luta antimanicomial
http://www.contraprivatizacao.com.br/2012/10/cfp-conquista-importante-vitoria-na.html

Divulgando: II ENESC – Encontro Nacional dos Estudantes de Saúde Coletiva
http://www.contraprivatizacao.com.br/2012/10/divulgando-ii-enesc-encontro-nacional.html

863 índios se suicidam… e quase ninguém viu
http://www.contraprivatizacao.com.br/2012/10/863-indios-se-suicidam-e-quase-ninguem.html

Mais hidrelétricas e termelétricas até 2021 – O futuro que “eles” querem
http://www.contraprivatizacao.com.br/2012/10/mais-hidreletricas-e-termeletricas-ate.html

Participação da Comunidade no SUS e Conselho Nacional de Saúde: uma experiência que agoniza
http://www.contraprivatizacao.com.br/2012/10/participacao-da-comunidade-no-sus-e.html

Conselho de Centro do CFCH-UFRJ clama pela não adesão a EBSERH
http://www.contraprivatizacao.com.br/2012/10/conselho-de-centro-do-cfch-ufrj-clama.html

Privatização do CAPS Butantã põe método terapêutico em risco
http://www.contraprivatizacao.com.br/2012/10/privatizacao-do-caps-butanta-poe-metodo.html

TCU dá prazo para empresas públicas acabarem terceirização das atividades-fim
http://www.contraprivatizacao.com.br/2012/10/tcu-da-prazo-para-empresas-publicas.html

 ***
 Assim dizendo a minha utopia eu vou levando a vida
Eu viver bem melhor
Doido pra ver o meu sonho teimoso, um dia se realizar

(Milton Nascimento)
 
———————————————————————————————————

 ***


Setembro/2012: BOLETIM MENSAL do blog da Frente Nacional Contra a Privatização da Saúde

18/10/2012

 

———————————————————————————————————



Boletim Mensal do blog da 

Frente Nacional contra a Privatização da Saúde

 

<<<Setembro de 2012>>>

*** 

 ***

***

***

Espanha: movimento prepara protesto contra corte de atendimento médico gratuito a imigrantes ilegais

CAE do Senado aprova vinculação de 10% das receitas da União para a Saúde

Pressão da comunidade universitária faz COUN rejeitar EBSERH na UFPR

Em Belo Horizonte, ocupação Dandara desafia especulação imobiliária há três anos

Câmara não chegou a consenso sobre amianto; assunto é debatido no STF

Conselho Federal de Medicina publica resolução autorizando o “testamento vital”

Moção em defesa da “PEC DO PADRÃO MÍNIMO” para o funcionamento dos Tribunais de Contas

Modelo adotado em comunidades terapêuticas pode significar volta aos manicômios

Governo do RN faz chamamento público de PPP para hospital de trauma em Natal (RN)

Cruz Vermelha repassa dinheiro público a ONG ligada a seu dirigente

Agosto/2012: BOLETIM MENSAL do blog da Frente Nacional Contra a Privatização da Saúde

Ocupação contra o apagão da saúde em São Paulo

Segundo Justiça, Prefeitura de São Paulo deve financiar corretamente a Saúde, em vez de incentivar a especulação imobiliária

Universidades federais resistem a estatal criada para gerir seus hospitais

Em desfile do Dia da Independência, manifestantes protestam contra condições da Saúde no RN

Centenas de pessoas ocupam hospital abandonado na zona sul

Em Goiás, juíza afasta secretário de saúde que beneficiava esquema de OSs

Reunião de criação do Fórum Capixaba em Defesa da Saúde Pública será no dia 11/09, na Adufes

CNS e Ministério Público propõem fórum de articulação para o controle social

Relatoria de DH ao Meio Ambiente da Plataforma Dhesca solicita garantias urgentes para Alexandre Anderson, Daize e pescadores da AHOMAR

Conselho Municipal de Saúde de Ipatinga (MG) veta terceirização da Saúde

“Moendo Gente” mostra as condições de trabalho nos frigoríficos do Brasil

Moção contra a EBSERH foi aprovada no Conselho Nacional de Saúde

Entidades criam o Fórum Capixaba em Defesa da Saúde Pública

Mortes por acidentes com motos devem aumentar, diz representante do Ministério da Saúde

Ocupação e protesto por saúde denunciam privatismo e promessas não cumpridas

No Maranhão, uma decisão judicial lembra como é difícil ser pobre

Um milhão exige demissão do governo

Alcoolismo deixa de ser motivo para justa causa

Terceirização da Saúde – EBSERH – AMPASA e Frente Nacional Contra a Privatização da Saúde

Moção de repúdio a EBSERH da Assembleia Geral dos Estudantes da UNIRIO

FASUBRA ingressa com representação na PGR pela inconstitucionalidade da lei que criou a EBSERH

CFM e FENAM pedirão intervenção federal na Saúde do RN

Boletim Informativo da ANTC – 19/09/2012

Apresentando a Frente Mossoroense contra a Privatização da Saúde

Saiba como foi: I Seminário Estadual contra a Privatização da Saúde no Rio Grande do Norte

Tese de doutorado questiona terceirização na saúde

STF decide que município não pode ter terceirizados na saúde

Brasil Foods é condenada a pagar R$ 65 mi por tempo gasto com troca de uniforme

Uruguai aprova projeto que descriminaliza o aborto

Saiba como foi: Seminário sobre a EBSERH no campus de Campina Grande da UEPB

Prof. Inês Bravo conversa sobre a Frente Nacional contra a Privatização da Saúde com o site da ANDES-SN

“Pensam que preto, pobre e favelado não pertence à cidade”

Relação entre movimentos sociais e saúde em debate

Informes da luta contra a EBSERH em Recife

STF determina que estado de SC assuma administração do Samu

Sob protestos, Conselho Gestor aprova EBSERH no HUJM

Nota em defesa do Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)

Proibida a contratação de novas OSSs em Mato Grosso

Toda essa massa de gente

Como cabrito na serra

Não se uniu por acaso

Mas por estar numa guerra

Resistindo à burguesia

Nos unimos nesta terra 

(Anônimo de Souza)

———————————————————————————————————

***

***

*** 


“Moendo Gente” mostra as condições de trabalho nos frigoríficos do Brasil

13/09/2012

***

Terça, 11 de setembro de 2012

***

 “Moendo Gente” mostra as condições de trabalho nos frigoríficos do Brasil

Investigação realizada pela Repórter Brasil aponta os problemas à saúde e segurança dos empregados das principais indústrias de carnes do país.

A reportagem é do sítio Repórter Brasil, 10-09-2012.

***

Fonte: http://www.cifs.dk

A rotina dos trabalhadores da indústria de abate de aves, suínos e bovinos envolve inúmeros riscos devido ao manuseio de instrumentos cortantes, a pressão por altíssima produtividade e, não raro, jornadas exaustivas em ambientes frios e insalubres. Produzida pela Repórter Brasil, a investigação Moendo Gente (www.moendogente.org.br) mostra os maiores problemas da indústria dos frigoríficos, um dos principais setores do agronegócio nacional. Atualmente, emprega mais de 750 mil pessoas e em 2011 chegou a exportar o equivalente a US$ 15,64 bilhões em carnes.

O Moendo Gente relata problemas em 24 plantas frigoríficas pertencentes às três principais empresas que abastecem nossos supermercados e fazem do país o líder mundial na exportação de proteína animal: JBS, Marfrig e Brasil Foods. Em 2011, a Repórter Brasil lançou um documentário mostrando o retrato do trabalho em frigoríficos, Carne, Osso. Clique aqui para assistir ao trailer do filme. 

Problemas de saúde

Na unidade de Rio Verde (GO) da Brasil Foods, segundo levantamento do Ministério Público do Trabalho (MPT), cerca de 90 mil pedidos de afastamento foram registrados entre janeiro de 2009 e setembro de 2011. É como se a cada 10 meses todos os 8 mil empregados do frigorífico tivessem que se ausentar por ao menos uma vez devido a problemas de saúde relacionados ao trabalho.

Os afastamentos por distúrbios osteomusculares (os chamados DORT) foram os mais recorrentes – uma média altíssima de 28 atestados por dia, ou 842 por mês. Já na unidade de Barretos (SP) da JBS, 14% dos aproximadamente 1.850 funcionários estão permanentemente afastados do trabalho devido a acidentes e doenças ocupacionais e sobrevivem com o benefício pago pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Só no primeiro semestre de 2011, registraram-se 496 pedidos de afastamento temporário (com menos de 15 dias) por conta de distúrbios psíquicos e problemas esquelético-musculares.

Em 2011, a Seara (empresa do grupo Marfrig) foi condenada a pagar uma indenização de R$ 14,6 milhões por danos morais coletivos causados aos trabalhadores na unidade de Forquilhinha (SC). A Justiça determinou também que a Seara conceda pausas para “recuperação térmica” de 20 minutos a cada 1 hora e 40 minutos de trabalho. A mesma sentença obriga ainda o frigorífico a liberar a ida dos trabalhadores ao banheiro, sem que seja necessária autorização prévia de um superior.

Atividade de alto risco

Uma das características do trabalho em frigoríficos é a elevada carga de movimentos repetitivos. Trabalhadores das indústrias de aves desossam, no mínimo, 4 coxas de frangos por minuto. Nessa função, há funcionários que realizam até 120 movimentos diferentes em apenas 60 segundos, enquanto estudos ergonômicos apontam que o limite de ações por minuto deve ficar na faixa de 25 a 33 movimentos para evitar o aparecimento de doenças osteomusculares.

Fiscalizações feitas pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) vêm constatando prolongamento irregular da jornada de trabalho, com expedientes que chegam a superar 15 horas diárias.

Especialistas em saúde do trabalho afirmam que as lesões por esforços repetitivos têm como um dos fatores facilitadores e agravantes a exposição a baixas temperaturas. Além disso, o trabalho contínuo com facas, serras e outras ferramentas afiadas, aliado a jornadas exaustivas, elevam o risco de acidentes da atividade.

Órgãos governamentais e autoridades competentes estão cientes dos riscos que o trabalho em frigoríficos gera à saúde de seus empregados. Segundo dados oficiais do Ministério da Previdência Social (MPS), quando se comparam os problemas de saúde gerados especificamente pelo abate e processamento de carne com os danos provocados por todos os demais segmentos econômicos brasileiros, o resultado da matemática é assustador.

No abate de bovinos, ocorrem duas vezes mais traumatismos de cabeças e três vezes mais traumatismos de abdômen, ombro e braço que em outras atividades. O risco de sofrer uma queimadura é seis vezes superior.

No abate de aves, a chance de um trabalhador desenvolver um transtorno de humor, como uma depressão, é 3,41 vezes maior. No abate de aves e suínos, o risco de sofrer uma lesão no punho ou nos plexos nervosos do braço é 743% maior.

Baixas indenizações

Funcionários de frigoríficos que se acidentam gravemente ou desenvolvem doenças ocupacionais têm sido contemplados pela Justiça com indenizações por danos morais comparáveis às recebidas por cidadãos que tiveram seus nomes inseridos indevidamente no cadastro de “maus pagadores” da Serasa Experian.

Para especialistas da área, as condenações impostas pelo Poder Judiciário aos frigoríficos resultam em indenizações de valor muito baixo que, em vez de inibir as práticas nocivas no setor, acabam permitindo que novos acidentes ocorram.

Em Goiás, por exemplo, um trabalhador de uma planta industrial da Marfrig teve de ser submetido a uma cirurgia depois que um corte profundo em seu braço esquerdo atingiu nervos e tendões, prejudicando a mobilidade de sua mão. Por não fornecer os devidos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), o frigorífico foi condenado a arcar com os custos da cirurgia e a pagar uma indenização de R$ 5 mil por danos morais ao empregado.

Também em Goiás, uma cliente processou um banco que levou seu nome à Serasa Experian e foi contemplada com uma indenização de R$ 10 mil por danos morais.

Legislação específica para o setor

A legislação trabalhista do Brasil já prevê uma série de medidas que, se devidamente aplicadas, contribuiriam para a proteção da saúde dos empregados do setor de frigoríficos. O artigo 253 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), por exemplo, determina a realização de intervalos de 20 minutos a cada 1 hora e 40 minutos de trabalho para amenizar os efeitos do frio.Há normas semelhantes para mitigar os problemas gerados pelos movimentos repetitivos. Só que as empresas nem sempre cumprem essas determinações e, por essa razão, vêm sendo acionadas judicialmente pelo Ministério Público do Trabalho (MPT).

Desde 2010, a Secretaria Nacional de Inspeção do Trabalho do Ministério do Trabalho e Emprego (SIT/MTE) vem debatendo com representantes de empresas, trabalhadores e órgãos competentes (como o Ministério Público do Trabalho) o texto de uma Norma Regulamentadora (NR) que vai disciplinar o trabalho em frigoríficos.

Se aprovada, a NR fornecerá detalhes sobre o fornecimento de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) aos trabalhadores; a adequação dos postos de trabalho, levando em conta os instrumentos (facas, serras) e o mobiliário (mesas, esteiras); a velocidade e o ritmo de trabalho, e a concessão de pausas aos empregados. Esse último ponto é o que tem sido objeto de mais controvérsias nas discussões sobre a nova NR, que pode ser aprovada ainda em 2012.

Mercado global: o que pensa quem consome a carne brasileira

Atualmente, a carne brasileira é vendida em mais de 150 países. Apesar dos graves problemas trabalhistas em suas fábricas, Brasil Foods, JBS e Marfrig se valem de parcerias com gigantes do varejo para escoar seus produtos no Brasil e no exterior. A Repórter Brasil investigou ainda os elos que ligam esses três grupos frigoríficos às maiores redes mundiais de fastfood (McDonald’s, Subway, Burger King, KFC e Pizza Hut) e aos dez maiores varejistas globais com atuação no setor alimentício (Walmart, Carrefour, Tesco, Metro, Kroger, Lidl, Costco, Walgreens, Aldi e Target).

A unidade de Naviraí (MS) da JBS é uma das plantas industriais da empresa que abastecem lojas brasileiras do Walmart. Registros de desmaios e queixas de mal-estar entre trabalhadores levaram o Ministério Público do Trabalho (MPT) a ajuizar um pedido de interdição do setor de abate local, em novembro de 2010.

No Oriente Médio, o Carrefour comercializa carne halal (preparada de acordo com os preceitos islâmicos do Alcorão), proveniente da unidade de Dois Vizinhos (PR) da Brasil Foods (BRF). Em 2011, a Justiça do Trabalho condenou a BRF por terceirização ilícita e por submeter a “condições absolutamente indignas” os trabalhadores muçulmanos empregados localmente na produção desse tipo de item.

A unidade da Marfrig em Hulha Negra (RS) é responsável pela fabricação de carnes enlatadas “marca própria” da Tesco, o maior varejista do Reino Unido. Uma inspeção do Ministério Público do Trabalho (MPT), realizada em dezembro de 2011, constatou que 12% dos empregados locais estavam afastados por acidentes ou doenças ocupacionais.

Todos os varejistas e redes de fastfood foram convidados a se manifestar sobre os problemas identificados em operações de seus fornecedores. O Moendo Gente traz as respostas daqueles que optaram por se posicionar.

Saiba mais:

08/12/2011 – ”Há pessoas que preferem o desemprego a entrar no inferno de um frigorífico”

10/09/2011 – JBS Friboi: quando o dinheiro público financia a dor nos frigoríficos

17/06/2011 – Ritmo intenso, gestos repetitivos, jornadas extenuantes. A dura realidade nos frigoríficos brasileiros

14/06/2011 – Encontro nacional em Caxias do Sul debate condições de trabalho nos frigoríficos

20/03/2011 – “Carne Osso’. Um mergulho no mundo dos frigoríficos brasileiros

 

*Retirado do IHU Online

 

 


Pelo banimento do amianto no Brasil

14/08/2012

***

O Centro Brasileiro de Estudos em Saúde (Cebes) apoia e assina petição pública on line que tem como objetivo o banimento do amianto no país. Iniciativa de representantes da sociedade civil e autoridades, a mobilização pela coleta de assinaturas dará suporte à Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4066, que visa a revogação do artigo 2º da Lei nº 9.055/95.
***
Ajude a divulgar a ação, que chama a atenção para os perigos de se manter autorizadas a utilização e a venda do amianto no Brasil, e acesse a petição pelo endereço:http://www.peticaopublica.com.br/?pi=saudesim.

***

***
*Retirado do CEBES

***

***

A luta Antimanicomial como expressão de voz e conhecimento

08/05/2012

                                                         TTT

                                 “A minha missão é revelar somente a verdade” 

Estamira

***

Se a luta Antimanicomial não existisse a gente teria que inventá-la! Bom, seria uma ótima alusão ou adaptação de outros exemplos de coisas boas nascidas nesse mundo, tão complexo e contraditório. Assim, um movimento que se reinventa não perdendo a dimensão da sua realidade é o que constitui na cidade de Belo Horizonte uma das maiores expressões político-culturais que já se foi testemunha.

Faz mais ou menos quinze anos que alguns trabalhadores da saúde mental do Brasil, unidos a usuários e familiares de pessoas com sofrimento mental construíram uma nova forma de lidar com aquilo que a razão não é capaz de dar vazão; e, com o propósito de marcharem numa luta e num contentamento diferente do tratamento da loucura, abriram as portas dos manicômios e começaram a criar novos formatos para a expressão através da linguagem, através das formas, e alucinações para o tido “desvio” do real.

A luta Anitmanicomial em Belo Horizonte nesse meio sobrevive, mesmo que acompanhando duramente um pensamento que ainda teima em insistir na privação da liberdade e na segregação do delírio, dando passos importantes na formação, na intervenção política, na ocupação dos espaços da cidade (diga-se cada vez mais cerceada e privatizada) pelos que foram dela separados durante anos, privados dos direitos fundamentais, alijados da possibilidade de elaboração de suas angústias, desejos e realidades dissonantes.

Belo Horizonte é uma referência no Brasil na construção de uma política de saúde mental que se alicerça nos princípios do SUS, tendo como expressão fundante a territorialidade e um profundo engajamento de inúmeras pessoas para que Cersam’s (Centros de Referência em Saúde Mental), Centros de Convivência, Cersam AD (Álcool e Drogas), Residências Terapêuticas e outros equipamentos possam ser espaços de possibilidade de convivência com o sofrimento mental. Que sejam vínculos do real que não apagam o inconsciente, espaços esses cada dia mais solicitados pelo movimento estudantil a serem ocupados na formação pelos estudantes. Luta essa que se trava nos cotidianos da formação em saúde mental em todas as Universidades, e a UFMG não é exceção desse processo. Se a prática é repensada, é necessário repensar também a formação.

Se por um lado a luta feita institucionalmente é complexa e cotidiana, na rua a luta antimanicomial é expressa na circulação dos usuários por espaços públicos culturais, por outros serviços que lhes são direitos, e pela verdadeira necessidade de um vínculo que seja construído através da família, do Estado e da sociedade civil, que é convidada a se solidarizar e mudar a expressão do pensamento em relação à palavra do louco.

A maior manifestação dessa luta, em Belo Horizonte, se dá nas ruas todos os dias 18 de maio; e, é justamente pela construção desse espaço de sensibilização que surgem e ressurgem propostas de formação, de disputas políticas e de pensamento que a cada dia vão favorecendo, mesmo em meio a várias tentativas de retroceder nos avanços, a relação e vivência concreta da loucura na cidade que deve ser cada dia consquistada por todos e todas.

Com o sentido de sensibilizar, o dia 18 de maio é o de estar na rua, o louco mesmo, com a sua cara, com a sua expressão e com a sua voz! Colocando o samba composto por eles mesmos, fantasiado e colorido a partir das oficinas realizadas nos centros de convivência, e dando a cor e o jeito que só a loucura pode expressar para revolucionar uma realidade que sempre pediu a privação de direitos e liberdades.

Neste ano de 2012 esse movimento homenageia o SUS e todas as suas conquistas, provando que é necessário lutar todo dia para SUStentar (dessa forma mesmo, a temática deste ano) uma diferença que só aquele que convive com as vozes, as visões, as dores e prazeres do ser louco pode expressar na Avenida. A luta está aí, e o convite está feito para a comunidade acadêmica marchar junto aos usuários dos serviços de saúde mental. Pois somente SUStentando a possibilidade do diálogo do diferente é possível construir uma cidade verdadeira e cada dia mais democrática.

Por uma sociedade sem manicômios!

TTT

Por Laila Vieira de Oliveira- Arte educadora, integrante do Coletivo Espaço Saúde UFMG

YTY

*Retirado do Fórum em Defesa do SUS de Minas Gerais

**Enviado pela companheira Ellen Naiara Oliveira Rodrigues

TTT

TTT


Frente pela Regulação da Publicidade de Alimentos chama atenção da Anvisa por parceria com Coca-Cola

30/04/2012

***

A Frente pela Regulação da Publicidade de Alimentos publicou uma nota de repúdio à atitude da Anvisa de dar repercussão a uma ação patrocinada pela Coca-Cola Brasil.

Você pode conferir a nota na íntegra a seguir:

NOTA DE REPÚDIO

 A Frente pela Regulamentação da Publicidade de Alimentos vem a público repudiar a instalação de exposição sobre a campanha denominada “Emagrece, Brasil!” na sede da Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Ao abrir suas portas para esta exposição e incluir na programação da I Semana de Vigilância Sanitária no Congresso Nacional campanha cujo patrocínio exclusivo é de uma das maiores empresas de refrigerantes do mundo, a ANVISA adota práticas há muito tempo condenadas na área da saúde, evidenciando um flagrante conflito de interesses e descaso com os movimentos da sociedade civil alinhados à ética e à equidade da ação regulatória estatal no campo da alimentação e nutrição. Os efeitos danosos do consumo de refrigerantes sobre a saúde humana e, em particular, sobre o risco de obesidade, são incontestáveis. Igualmente conhecidas são as agressivas e abusivas estratégias de marketing utilizadas por empresas produtoras de refrigerantes, incluindo em particular aquela que, ironicamente, patrocina a campanha ‘Emagrece, Brasil’.

Causa-nos também revolta ler no ‘press release’ da exposição que ela ‘…está de acordo com as diretrizes do Ministério da Saúde para uma alimentação saudável e combate às doenças crônicas’. Isso absolutamente não é verdade. Em primeiro lugar, a campanha e a exposição enfatizam o ‘tratamento’ da obesidade quando a ênfase correta, sabem todos os técnicos do Ministério, e sabemos todos nós, é a prevenção. O tratamento da obesidade, seja por meio de medicamentos ou de ‘dietas’, tem baixíssima eficácia. A mensagem principal da campanha é a de que você pode comer tudo o que quiser, sendo suficiente ‘contar’ as calorias que consome e ‘não deixar’ que elas superem sua necessidade de energia ou as metas que o levarão a emagrecer. Sabem todos os técnicos do Ministério, e sabemos todos nós, que determinados alimentos, como os refrigerantes, aumentam o risco de obesidade exatamente porque suas calorias saciam menos do que aquelas dos demais alimentos.

O mantra ‘uma caloria é uma caloria’, que está na base da chamada ‘dieta dos pontos’ que orienta a campanha “Emagrece Brasil’, é verdade apenas do ponto de vista da termodinâmica. Quando se trata de explicar a obesidade, é um completo equívoco, destituído de qualquer base científica. Uma das mais importantes revistas médicas do mundo, a revista Lancet, deixa isso claro em um número recente dedicado à epidemia mundial de obesidade.

A primeira ‘estação’ da exposição, que será exibida no edifício da ANVISA e depois no Congresso Nacional, mostra uma pessoa ‘devorando’ um imenso sanduíche feito com pão de hambúrguer. O texto da exposição explica: ‘A exposição usa o sanduíche como exemplo porque nele temos ingredientes de todos os grupos de nutrientes. E, assim, a oportunidade de explicar a importância de cada um deles para a saúde.’ Mais revolta, e, neste caso, não há necessidade de comentários: a impropriedade da campanha e da exposição fala por si. Há muitos outros equívocos do “Emagrece Brasil’, mas o maior deles, que não conseguimos compreender, é o apoio formal à campanha do Ministério da Saúde e também do Ministério da Educação e do Ministério dos Esportes.

A gravidade da epidemia mundial de obesidade e de outras doenças crônicas relacionadas à alimentação tem mobilizado governos nacionais e sociedade civil de diversos países na busca por soluções. Uma delas, já reconhecida como necessária pela Organização Mundial de Saúde, é a necessidade urgente da aprovação de um código de ética que regule a atuação das empresas de alimentos e refrigerantes. Ao tentar naturalizar o conflito de interesses neste campo, a ANVISA age em sentido contrário à defesa da ética e coloca em risco sua credibilidade na defesa e proteção da saúde dos brasileiros.

*Retirado do blog da Frente pela Regulação da Publicidade de Alimentos

Saiba mais:

Frente pela Regulação da Publicidade de Alimentos chama atenção da Anvisa por parceria com Coca-Cola

Parceria revela um conflito de interesse e abala a equidade da ação regulatória estatal no campo da alimentação e nutrição

A Frente pela Regulação da Publicidade de Alimentos, grupo composto por entidades ligadas à saúde pública, aos direitos da criança e à defesa do consumidor, da qual o Idec faz parte, publicou uma nota de repúdio à atitude da Anvisa de dar repercussão a uma ação patrocinada pela Coca-Cola Brasil.

A Anvisa lançou a Exposição “Emagrece, Brasil! A Obesidade pelo Olhar da Infografia”, evento que faz parte das ações organizadas pelas revistas Saúde e Boa Forma, da Editora Abril, patrocinado pela Coca-Cola, e integra a programação da I Semana da Vigilância Sanitária.

Discrepância

Para a Frente, essa parceria revela um conflito de interesses e descaso com os movimentos da sociedade civi alinhados ao campo da alimentação e nutrição. “A agência reguladora, enquanto órgão estatal que impõe regras ao mercado tendo em vista assegurar o intersse público, deve zelar pela manutenção de sua imparcialidade e equidade na ação regulatória”, afirma a advogada do Idec, Mariana Ferraz.

A advogada destaque que, com a parceria, a Anvisa favorece estratégias de marketing empresarial, e ao associar seu nome a essa estratégia, acaba validando e incentivando o consumo de determinados produtos, colocando em risco sua credibilidade na defesa e proteção da saúde dos brasileiros.

“Essa situação demonstra a urgente necessidade da aprovação de um código de ética que discipline as incidências das indústrias de alimentos e refrigerantes na atividade estatal”, defende Mariana.

Emagrece, Brasil!

Desde 2011, o projeto “Emagrece, Brasil” tem como objetivo combater o sedentarismo e a obesidade. O Idec reconhece a urgência de atuação no controle da obesidade, mas discorda da proposta da campanha “Emagrece, Brasil!” que, baseada na dieta dos pontos, incentiva o consumidor a se alimentar tendo em vista unicamente a ingestão calórica. “A qualidade do produto consumido e as mudanças nos hábitos alimentares para uma dieta realmente saudável, infelizmente, não são prioridades no projeto”, conclui a advogada.

*Retirado do IDEC

 


Poesia do dia – 20/04/2012

20/04/2012

***

Fonte: arteliteraria.spaceblog.com.br

***
ERRO DE PORTUGUÊS
***
Quando o português chegou
Debaixo de uma bruta chuva
Vestiu o índio
Que pena!
Fosse uma manhã de sol
O índio tinha despido
O português. 
***
***
Autor: Oswald de Andrade (1890-1954)
***
***
***