Acordo prevê até 30% menos sódio em alimentos

O macarrão instantâneo está na lista de alimentos que devem ter a quantidade de sódio diminuída (Foto: Jonathan Campos)

Ministério da Saúde e indústria alimentícia firmam compromisso para diminuir gradualmente a substância em 16 tipos de alimentos até 2020

Publicado em 08/04/2011 | Agência Estado

A indústria alimentícia e o Ministério da Saúde firmaram ontem um termo de compromisso de redução gradual na quantidade de sódio de 16 tipos de alimentos. As primeiras reduções vão ocorrer com massas instantâneas, pães e bisnaguinhas, a partir de 2012.

Massas instantâneas deverão ser produzidas a partir do próximo ano com teor de sódio 30% menor do que o atualmente apresentado. Pães e bisnaguinhas virão com redução de 10%. O cronograma prevê diminuição do uso do sódio até 2020. Segundo o Ministério da Saúde, o brasileiro consome, em média, 9,6 gramas diárias de sal. Já a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que consumo máximo não ultrapasse 5 gramas diárias. O excesso de sal na dieta está associado ao maior risco de doenças como hipertensão, problemas cardiovasculares, renais e cânceres.

Atualmente, cada 100 gramas de macarrão instantâneo produzido no Brasil apresenta entre 2.036 e 4.718 miligramas de sódio. No Canadá, a média de sódio é de 926,9 miligramas a cada 100 gramas do produto.

No caso do pão de forma, os índices dos produtos brasileiros também são expressivamente maiores. Enquanto no Canadá a média varia de 361 a 526 miligramas de sódio a cada 100 gramas do alimento, no Brasil, a mesma quantidade do produto traz entre 437 e 796 miligramas.

A implementação do acordo será acompanhada pelo Ministério da Saúde e pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Ao longo do processo, o governo deverá fazer estudos para avaliar os reflexos da redução nos indicadores da saúde.

O presidente da Associação Brasileira de Indústrias de Alimentação, Edmundo Klotz, afirmou que ainda não foi avaliado qual será o impacto no sabor da redução de sódio dos produtos. Ele disse estar convicto, no entanto, de que alternativas adequadas serão encontradas. “Já fizemos isso com relação à gordura trans”, lembrou. Um acordo firmado entre 2007 e 2010 permitiu a redução de 230 mil toneladas da substância – associada a um maior risco de doenças cardiovasculares – em alimentos industrializados.

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, disse que pactos firmados entre governo e setor produtivo são estratégia ideal para incentivar a adoção de hábitos saudáveis.

***

*Retirado da Gazeta do Povo

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: