Curso “Como Funciona a Sociedade?”

30/10/2009

Curso COMO FUNCIONA A SOCIEDADE.

blá Caso Clínico que não se aprende na faculdade!!! !!

Identificação: Republica Federativa do Brasil, 509 anos, sexo indeterminado, casado, brasileiro, procedência – América Latina, natural da América Latina.

Queixa Principal: Fraqueza, desnutrição, pobreza, corrupção, desigualdade social, exploração, miséria, insuficiência dos serviços públicos..        

História Mórbida Atual: O paciente relata início súbito dos sintomas há 509 anos. Informou evolução de piora ao longo do últimos 100 anos.

História Mórbida Pregressa: O paciente relata histórico de mau funcionamento dos órgãos públicos e parasitas acumulando capital. Já teve colonização de exploração, mercantilismo, ditadura militar, neoliberalismo. ..

História Mórbida Familiar: Países Irmãos e em demais continentes com os mesmos sintomas em graus variados

Venha ajudar no diagnóstico e tratamento!! !!

Data: 07 e 08 (sábado e domingo) de Novembro de 2009

Horário: das 9:00 às 18:00 horas.

Local: Diretório Acadêmico Nilo Cairo (DANC). R. Ébano Pereira, 114 – centro

Carga Horária: 16 horas

Inscrições: mande um e-mail com nome, curso e período para danc@danc.com.br até o dia 05 de outubro

OBS.: Vagas limitadas

Informações: Rafael “Batata” – 9241- 1820 ou Luiz Guilherme – 9225 – 9455

ou acesse o panfleto aqui!


Programação do Seminário Movimentos Sociais e Universidade (05 e 06/11)

29/10/2009

convite web


Conferência Municipal de Saúde em Rio Branco do Sul – 23 e 24/10 (Essa sexta e sábado)

21/10/2009

8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE RIO BRANCO DO SUL

O fortalecimento do SUS no município”

bloi

DATA: 23 e 24/10/2009

HORÁRIO: 23/10 19h

HORÁRIO: 24/10 8h

LOCAL: ASEM (Associação dos Servidores Municipais)- Rua Domingos Alessandro Nodari, 61, em frente à Câmara Municipal. – Bairro Vila Velha – Rio Branco do SUL.

Compas,

O Fórum Popular de Saúde, há dois meses tem acompanhado a luta do povo de Rio Branco do Sul (RBS) contra as picaretagens da prefeitura. Temos acompanhado mais de perto a luta da saúde. A Prefeitura entregou a gestão/prestação da saúde na mão de uma OS chamada “Instituto Corpore*”.

A ”prestação de contas” da saúde de RBS possui notas com valores bem elevados que em sua justificativa não fica claro no que foi gasto o dinheiro.

O Ministério Público de RBS está investigando a situação e determinou que a prefeitura deve retomar a gestão e regularizar a situação, pois recentemente foram fechadas 5 unidades de saúde, além dos trabalhadores terem vínculos empregatícios super precarizados, estarem com salários atrasados.

A lógica em RBS tem sido a da terceirização, que beneficia somente a iniciativa privada, deixando o povo sem grande parte dos serviços públicos.

O Controle social estava bem frágil em RBS, tanto é que quando a população começou a pressionar, por meio da ação da central das associações de moradores, três conselheiros pediram desligamento do conselho.

A prefeitura chegou ao ponto de dizer ao conselho que não haveria conferência de saúde, usando como desculpa que não haveria conferencia Estadual de Saúde, o que não é verdade. Após a pressão da Central das Associações ficou resolvido que haveria conferência, mas não é que muda a gestão da secretaria de saúde e novamente resolvem tentar inviabilizar a realização da conferência? Então mais uma vez a Central organiza-se e protocolo um requerimento no Ministério Público de RBS para que a Conferência seja realizada.

Ou seja, graças as ações da Central das Associações e do Ministério Público de RBS é que haverá a Conferência. Mas a Luta não termina aqui. Na verdade é um novo ponto de recomeço, agora é preciso que os moradores de RBS organizem-se por meio de suas entidades, participem da conferência, ajudem na construção da política de saúde de RBS, ocupem as vagas no conselho (para que não permaneçam as entidades que fazem o jogo da prefeitura) para que possamos avançar, acabando com a terceirização, a precarização e demais manifestações doentias da lógica do Capital.

Nesse sentido convocamos quem tiver disponibilidade para participar da conferência, ajudando nas discussões e na mobilização da população e das entidades de Rio Branco do Sul comprometidas com o processo de transformação.

Saúde não se vende, se defende”

*O “Instituto Corpore” está presente em vários municípios, ou seja, há mais tercerização e precarização por ai. Parece que há um deputado estadual por traz de tal “organização social”. – É bom lembrar que “o capitalismo adoece”.


Seminário Movimentos Sociais e Universidade

21/10/2009

Originalmente divulgado no CMI!

Compas, haverá esse seminário nos dias 5 e 6 de novembro, maiores informações pelos telefone: 3078-2424 ou no http://www.apufpr.org.br conviteSeminário Movimentos Sociais e Universidade
Data: 05 e 06 de novembro
Horário: 8h às 17h
Local: Setor de Jurídicas UFPR


ASSISTÊNCIA SOCIAL

18/10/2009

2261A3_1Assistência Social In: CASTRO, Josué de. Documentário do Nordeste. São Paulo: Brasiliense, 1965, 3. ed., p. 37-39. – Digitalizado pelo companheiro Prentici

ASSISTÊNCIA SOCIAL

A chuvinha miúda parecia uma cantiga enjoada de realejo, sem intenção de parar: chi-chi-chi, chi-chi-chi, feito brincadeira de chuva, mas muito pior do que se chovesse de verdade logo de uma vez. A poeirinha d’água borrifando o chapéu cinzento, já meio amarrotado, do dr. Félix, ia aos poucos mudando a côr da massa: de cinzento a esverdeado, de esverdeado a marrom… e nada do bonde chegar. Destino duro, êsse de esperar num tempo daqueles, um bonde que não aparece, e ainda por cima sem capa. Só com a roupinha de brim e o chapéu cinzento duvidoso.

Para distrair a impaciência e levado pela impaciência, o dr. Félix começou a pensar nas coisas tristes da sua vida, na sua vida inteira de coisas tristes: seis anos de estudos, de sacrifícios, de “média e pão com manteiga”, para se formar em medicina, para ser doutor. Para quê? Para levar chuva quase todo o dia, esperando os bondes hipotéticos da cidade de Recife, para ir ver nos subúrbios pobres morrendo sem dinheiro para comprar comida, quanto mais remédio.

Médico, profissão liberal. Lorota. Liberal para quem tem pai fazendeiro, capitalista, para pagar um consultório de luxo, para pagar anúncios nos jornais, para pagar os elogios dos amigos, para pagar as boas relações. Pai ou sogro, mas para quem começa no duro, sem encôsto, qual profissão liberal… assalariado, classe proletária, é o que é…

O chapéu do dr. Félix já estava pretinho d’água, quando o bonde amarelo apareceu na esquina, todo molhado, pingando água, pingando gente. O rapaz se agarrou num balaústre, mudou o rumo do pensamento e tocou p’rô subúrbio.

O dr. Félix, formado há um ano, é médico da “Fábrica Pureza”. Como a fábrica fica numa ilha da Várzea e êle mora em Olinda, tem que tomar dois bondes e um bote para chegar lá. Dia sim dia não aquela mesma estopada de viagem com o sol do Nordeste tinindo nas costas ou com a chuva fria se enterrando até os ossos como naquele dia 5 de março de inesquecível memória.

Depois de hora e meia de bonde e mais quinze minutos de bote lutando para atravessar contra a correnteza do Capibaribe, o dr. Félix chegou na fábrica encharcado como um pinto tirado duma poça d’água. Zé Luís, o porteiro, ofereceu tímido um golezinho de cachaça para tirar a morrinha, mas como não ficasse bem a um médico êstes hábitos populares (medicina, profissão nobre, dignificante sacerdócio) o doutor apenas agradeceu afetuosamente e não aceitou.

O apito tendo anunciado a sua chegada, o gerente mandou chamá-lo para ter com êle uma ligeira conversa administrativa. O sr. Renato Pontes, sócio e gerente, é um verdadeiro homem de negócios, sempre atento aos interêsses dos capitais da firma. Quando o médico enxugando as mãos com o lenço foi entrando no seu escritório, êle foi logo dando bom dia e entrando com a ladainha:

– “Doutor, o senhor sabe que nós temos todo o interêsse pelo bem-estar e pela saúde dos nossos operários, que foi exatamente isso que nos levou a contratá-lo pagando-lhe 200$000 por seus serviços médicos. O senhor sabe, doutor, que quando um operário adoece a ponto de não poder trabalhar nós continuamos a pagar-lhe in-te-gral-men-te…”

O doutor Félix rememorou o número imenso de tuberculosos trabalhando na seção das tintas e que foi um trabalho enorme para mudar os que não podiam respirar ali para outra seção – porque não havia vagas. E êles não queriam ficar sem êmprego. Morrer de fome logo de uma vez: preferiam esperar para morrer mesmo de tuberculose.

– “…o senhor sabe, doutor, que todo o remédio que o senhor receita nós fornecemos sem descontar da fôlha de pagamento…”

O doutor lembrou-se dos salários miseráveis daquela gente de 3 a 6 mil réis por dia.

– “…vê portanto o senhor que temos tôda a benevolência e espírito de humanidade com os nossos operários…”

O doutor Félix sorriu melancolicamente, mas o sorriso não passou despercebido do gerente que, mudando o tom melífluo de sua voz, continuou irritado:

– “Mas o senhor deve compreender que a nossa benevolência tem limites. Não pode ser também de pai para filho. As despesas em remédio estão sendo enormes. É preciso uma providência…”

O dr. Félix teve vontade de dizer que a providência seria dar comida e confôrto aos operários para não adoecerem todo dia, mas resolveu calar e continuar ouvindo.

– “… o senhor imagine que mês passado foram 400$000 de medicamentos. 400$000! senhor doutor… O que o senhor tem que fazer é receitar purgativo para esta cambada de vagabundos…”

O médico não respondeu nada. Saiu do escritório do gerente, entrou na salinha de consulta, tirou o paletó molhado e em mangas de camisa começou a trabalhar. Atendeu a onze operários: cinco tuberculosos, três velhos cardíacos, uma mulher hidrópica e duas crianças anemiadas, subnutridas, da seção de embalagem. Receitou-os como lhe pareceu mais acertado. Mesmo atendendo à sugestão do gerente de que tuberculose em operário não é doença, não lhe pareceu indicado receitar purgativos…

No dia seguinte o jovem médico recebeu uma carta da fábrica, onde em nome da diretoria eram dispensados os seus serviços médicos para se proceder a uma reforma na assistência médico-social dos operários. A carta era datada de 5 de março e assinada pelo gerente.


9ª Conferência Estadual de Saúde do Paraná

18/10/2009

O regulamento da 9ª Conferência Estadual de Saúde do Paraná pode ser visto aqui: Regulamento da 9ª CES.

As informações sobre o processo eleitoral da Conferência estadual estão aqui!

Cronograma da 9ª Conferência Estadual de Saúde do Paraná

DATA

HORÁRIO

DESCRIÇÃO

Até 15/11/09

A definir

Plenária dos Trabalhadores

Plenária dos Prestadores de Serviço

Plenária dos Representantes da Administração Publica

27/11/09

Até o final da reunião ordinária

Inscrição de Delegados Natos

30/11/09

Até as 16h00

Inscrição de Delegados Usuários

Inscrição de Delegados Trabalhadores

Inscrição dos Delegados Prestadores de Serviço

Inscrição dos Delegados da Administração Pública

Inscrição de Teses – textos

18/12/09

07h00 as 10h00

Credenciamento dos Delegados

10h00 as 12h00

Credenciamento dos Observadores

19/12/09

08h00 as 12h30

Plenária Final

14h00 as 16h00

Processo Eleitoral

16h00 as 17h30

Homologação das Entidades Eleitas

17h30 as 18h00

Solenidade de Encerramento

18h00 as 19h00

Café

18 e 19/12/09

13h30 as 14h00

Almoço


SEMINÁRIO DE SEGURANÇA, SAÚDE E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO 30 ANOS FUNDACENTRO/PR

18/10/2009

Pessoal,  entre 9 e 12 de novembro haverá o SEMINÁRIO  DE SEGURANÇA, SAÚDE  E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO  30 ANOS FUNDACENTRO/PR.

Na programação parece haver algumas atividades interessantes, confiram aqui!


Algumas delas são:

  • Implantação e Implementação da NR-32 – Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde
  • Estudo das Poeiras de Basalto e Gnaisse em Pedreiras de Londrina e Curitiba/PR: Reflexos para Trabalhadores e o Meio Ambiente
  • A Análise da Atividade como Pressuposto para a Investigação de Acidentes e Doenças Relacionadas com o Trabalho.